no

Não damos valor a tecnologia

20-bluetooth

Você já parou para pensar em quão necessitados a gente está de que a tecnologia esteja presente em nossas vidas? Mas a gente fica tão imerso nesse mundo fascinante que a gente simplesmente esquece de ficar fascinado. Como isso é possível? Sim, a gente tá em um contato tão constante com a tecnologia que ela se torna uma coisa banal, e por isso vou pegar esse espaço para lembrar a vocês tudo o que a gente deixa passar.

1 – Telefone antigo / Telefone sem fio

t1

Antes para discar para uma pessoa, você tinha que estar com muita vontade de falar com ela, visto que você teria que sentar para falar, e não poderia continuar fazendo o que estava fazendo.

Você odiava uma pessoa proporcionalmente ao número de zeros ( 0 ) que ela tinha no telefone. Era extremamente irritante ter que girar a roda completamente, isso quando não você tinha que fazer uma força demasiada e quase quebrava o disquinho.

De dois em dois dias você era compelido a desenrolar o fio do telefone. Você segurava a ponta do fio e deixava o telefone girar dentro do seu eixo até desenrolar completamente. Quando ele passava do ponto e começava a enrolar novamente, teria que repetir o ciclo novamente. Você demorava horas nessa atividade perturbadora.

2 – Carta / E-mail

t21

Uma carta era sinal de que você realmente se importava com a pessoa, porque o trabalho de sentar, escrever, por no envelope, ir até o correio, ficar na fila pra enviar, era a maior prova de comprometimento que existia.

Você esperava semanas e até meses para receber a resposta de uma carta, hoje você fica puto quando uma pessoa deixa de ver o email de trinta em trinta minutos, afinal, nesse tempo moderno, quem não fica checando os emails?

Você estocava suas cartas em uma caixa de sapato e aquilo era o bem mais precioso que você possuia, hoje você só recebe corrente pelo email e faz contato profissional. Que triste.

3 – Disquete / Bluetooth

t3

Ao passar um arquivo por bluetooth, se ele demora mais de 5 segundos, você perde a boa vontade, sendo que antes para transferir qualquer coisa entre dois aparelhos era preciso uma disposição infinita.

Quando você procura pelo bluetooth do seu amigo ao passar um arquivo e o nome não aparece na lista de imediato, você o menospreza por não ter um celular decente.

O disquete não cabe no seu bolso, é estéticamente feio e tem um cabeçote de aluminio que teimava em abrir sempre que você brincava de jogar pra lá e pra cá.

4 – Trem / Avião

t4

Você odeia esperar quarenta minutos para embarcar, sendo que com trem a demora era incrivelmente maior para a espera e maior ainda para a viagem.

Quando você não pode usar a internet do seu notebook no avião, você considera uma grande palhaçada. Calma, você está no céu, voando.

Ao assistir qualquer pouso ou decolagem mal feito você julga o piloto na hora, acha ele um grande merda. Rapaz, ele está pilotando um pedaço enorme de ferro e ainda o faz voar. Dê a ele um pouco de crédito.

5 – Rede com fio / Rede sem fio

t51

Quando a sua internet sem fio perde o sinal você tira da tomada e põe denovo, clica em “Reparar”, liga pra assistência, etc. Meu amigo, você já parou pra pensar que você pega a internet do ar? DO AR? Dê um tempo pra ela se ajeitar.

Você não se contenta com o sinal “Muito Bom” e fica mudando de lugar toda hora pra ver se volta pra “Ótimo”. Mas isso é realmente necessário? Você não vai fazer um download de um módulo nuclear da Nasa, amigo, acalme-se.

Você não frequenta mais shoppings que não tenha Wi-Fi. Mesmo não usando, você acha que um lugar tão desatualizado não merece sua presença.

Enfim, essas constatações são uma parcela muito pequena de tudo que a gente não dá o valor merecido. A sociedade evoluiu, mas não nos damos conta disso. Tudo isso que foi falado aqui não aconteceu no século passado, aconteceu faz pouquíssimo tempo, e as vezes é muito bom a gente parar e pensar um pouco porque tanta pressa? E porque a gente não se contenta com nada? Slow down!

O que você acha?

Written by Lucas Thomé

Comentários

Deixe uma Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

No Caribe? Só se for no filme.

Verso do Inverso ganha um selo