no

Síndrome do Impostor e 10 dicas de como evitá-la

Alguma vez você já sentiu que era uma farsa? Ou que em alguma situação você foi superestimado por outras pessoas? Estes podem ser sinais da Síndrome do impostor.

sindrome do impostor e como evitá-la

Mesmo depois de escrever onze livros e ganhar vários prêmios de prestígio, Maya Angelou não conseguiu escapar da dúvida incômoda de que não havia realmente conquistado suas realizações.   

Também Alber Einstein experimentou algo semelhante, ele se descreveu como um ‘vigarista involuntário’ cujo trabalho não merecia tanta atenção quanto tinha recebido.

Realizações podem ser raras, mas seu sentimento de fraude é extremamente comum. Na verdade, de acordo com um artigo de revisão publicado no International Journal of Behavioral Science, cerca de 70% das pessoas experimentam a sensação de ser um impostor em algum momento de suas vidas. 

É comum para aqueles com síndrome do impostor compartilhar os seguintes pensamentos:

“Eu sou uma farsa ” 

Os impostores costumam acreditar que seu sucesso e realizações são injustificados e que todo mundo foi de alguma forma enganado por você. 

No fundo, eles acreditam que não têm experiência, conhecimento e especialização – ou simplesmente que não têm o que é preciso.

Isso afeta os próprios sentimentos de medo e culpa dos impostores, pois eles têm medo de que alguém desmascare ou descubra que estão apenas dando a impressão de que são competentes. 

“Falhar não é uma opção” 

O medo dos impostores de serem pegos como uma farsa significa que eles se colocam sob uma enorme pressão para manter o status quo. Eles simplesmente não podem falhar ou todos saberão o quão ‘incompetentes’ eles realmente são.

Curiosamente, os impostores também não veem o sucesso ou elogios como uma contradição aos seus medos de fraude. 

Assim como aconteceu com Angelou e Einstein, muitas vezes não existe um limiar de realização que coloque esses sentimentos de lado. Isso leva à incapacidade de obter sucesso.

“Sucesso não significa nada” 

Os impostores têm a tendência de amenizar ou desconsiderar qualquer sucesso que possam alcançar. 

Eles têm dificuldade em receber elogios porque não acreditam que o sucesso foi consequência de seu próprio trabalho – enganaram a todos. 

Eles preferem atribuir seu sucesso à sorte, ao bom momento ou ao apoio de outras pessoas.  

De onde vêm esses sentimentos?

A psicóloga Pauline Rose Clance foi a primeira a estudar essa sensação injustificada de insegurança em 1978. Junto com a colega Suzanne Imes, as duas estudaram o impostorismo em universitárias e docentes. Seu trabalho estabeleceu sentimentos generalizados de fraude neste grupo. (Ela também criou este teste de síndrome do impostor .)

Quando a chamamos de síndrome, na verdade diminuímos o quão universal ela é, porque não é uma anormalidade nem está necessariamente ligada à depressão ou ansiedade.

A síndrome do impostor não pode ser resultado de baixa auto-estima ou falta de autoconfiança. Na verdade, alguns pesquisadores preferem vinculá-lo ao perfeccionismo.

Esses pesquisadores teorizam que os pais podem programar seus filhos com mensagens de superioridade. Nesse cenário, tanto os pais quanto a criança acreditam que ela é perfeita ou superior.

Parece familiar ex-criança prodígio que se tornou um jovem mediano?

Ironicamente, isso resulta em uma correspondência incorreta, uma vez que a criança entra no mundo real, o aspecto parental de apoio não se aplica mais e a criança agora crescida fica com uma necessidade constante de ser “perfeita”, mas nunca se sente como se fosse.  

Outra teoria postula que as raízes da síndrome do impostor podem ser encontradas na psicologia infantil e nos rótulos que os pais atribuem aos membros da família. 

Não é incomum os pais rotularem uma criança como “esportiva” enquanto rotulam a outra como “inteligente”. Esses rótulos tornam-se parte da autoidentificação da criança e podem deixá-la cambaleando a fim de cumprir uma expectativa que simplesmente “não consegue” cumprir. 

E isso é um problema porque sentimentos de impostorismo podem impedir as pessoas de compartilhar suas ideias ou se candidatar a empregos em que se destacariam. 

No entanto, há coisas que você pode fazer para evitar a síndrome do impostor. 

como evitar a síndrome do impostor

1. Esteja ciente

É importante estar atento aos seus pensamentos. Quando estiver ciente de seus padrões de pensamento, você não apenas se tornará melhor em reconhecer sentimentos impostores, mas também será capaz de combatê-los antes que tenham a chance de evoluir.  

2. Perceba que você não está sozinho

Muitas pessoas, na verdade a maioria delas, também já esteve na posição de se sentir uma fraude, ou de achar que não é tudo aquilo.
Saber disso pode ser um ponto muito importante para manter a cabeça erguida e não se deixar levar por estes sentimentos passageiros e enganosos.

3. Saia de sua rotina mental

Assim que você conseguir reconhecer esses sentimentos, poderá combatê-los ativamente. Sempre que você se pegar pensando que não merece o sucesso ou que não sabe o que está fazendo – lembre-se de que é normal não saber tudo, a maioria das pessoas se sente assim e que você aprenderá e crescerá mais à medida que progresso. 

4. Fale sobre isso

Quando você se abre sobre seus sentimentos, pode se surpreender ao saber como as pessoas ao seu redor também se sentem impostores. Isso proporcionará uma incrível sensação de alívio. É melhor ter um diálogo aberto do que manter seus pensamentos negativos reprimidos. 

5. Dê um passo para trás

É normal que qualquer pessoa passe por momentos ou ocasiões em que não se sinta 100% confiante ou competente. Precisamos sair de nossa zona de conforto para crescer e, na maioria das vezes, quando fazemos isso, nos encontramos um tanto fora de nossa própria profundidade. É bastante natural que esses momentos sejam preenchidos com dúvidas como consequência. 

Se você se pegar pensando que é inútil, dê um passo para trás e reestruture-o. Em vez de dizer a si mesmo que você é inútil, lembre-se de que não é – você está apenas crescendo.

6. A falha não existe

Enquanto você está nisso, reformule seus pensamentos sobre o fracasso também. O fracasso é um aspecto de qualquer curva de aprendizado. 

Sempre que você se sentir oprimido pela ideia de fracasso, lembre-se de maneiras simples pelas quais a prática (e o fracasso) levam à perfeição. 

Imagine todas as tentativas frustradas que o barista teve de fazer para dominar a ‘arte da espuma’ em seu café da manhã. 

Da mesma forma, ninguém jamais fez a omelete perfeita após sua primeira (ou no meu caso, ainda não sabe fazer).

Uma vez que você realmente percebe que o fracasso nada mais é do que uma oportunidade de aprender, você pode ser capaz de abandonar seu próprio perfeccionismo e fazer então você pode simplesmente encontrar uma nova sensação de alegria no que está fazendo.

7. Seja gentil com você mesmo

Lembre-se de que todos temos o direito de cometer alguns erros ocasionalmente e que o fracasso faz parte do processo. 

Trate-se como trataria um amigo sempre que ele estiver em dúvida ou cometer um erro – com bondade e perdão. 

8. Procure suporte

Todo mundo precisa de ajuda de vez em quando. Perceba que você não precisa fazer tudo sozinho. 

Buscar ajuda permitirá que você converse sobre seus sentimentos e ajuste sua perspectiva. 

9. Pense no quadro geral

Os impostores tendem a ficar presos no momento. Em vez de se concentrar em quão ‘incapaz’ você é no momento, visualize um resultado bem-sucedido. 

Você se sentirá muito mais calmo e focado ao se concentrar em concluir a tarefa, apresentação ou cumprir o prazo. 

10. Acompanhe os fatos

Você pode combater sua própria síndrome do impostor, coletando e revisando comentários positivos. 

Uma cientista continuou se culpando por problemas em seu laboratório e, em um esforço para mudar o que estava fazendo de errado, começou a documentar as causas sempre que algo dava errado. 

Para sua surpresa, ela acabou percebendo que a maioria dos problemas vinha de falha do equipamento, e não de sua incompetência.

Talvez nunca possamos banir totalmente esses sentimentos, mas podemos ter conversas abertas sobre desafios acadêmicos ou profissionais. 

você merece ter sucesso

Com o aumento da consciência de como essas experiências são comuns, talvez possamos nos sentir mais livres, para ser francos sobre nossos sentimentos e construir confiança em verdades simples: você tem talento, é capaz e definitivamente é merecedor de sucesso!

Fonte: Homotism

O que você acha?

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

20 animais marcados pela natureza

Casal recria cenas famosas de filmes e séries