Followers

Os experimentos científicos mais estranhos da história

13 maio, 2018
25 Shares 2376 Views

A ciência abriu muitas portas para nossos conhecimentos atuais e nossa percepção de mundo. Porém nós precisamos lembrar que tudo partiu de uma dúvida e de uma sucessão de experimentos.
5Pensando em mostrar um pouco desse mundo para vocês, selecionamos uma lista de sete experimentos científicos super estranhos!

UMA CIENTISTA DEIXOU QUE UM BICHO-DE-PÉ VIVESSE DENTRO DELA

1O bicho-de-pé é um animal muito grosseiro. Ele fica permanentemente na pele de um ser de sangue quente – como um humano -, onde incha, defeca, produz ovos e morre cerca de 4-6 semanas depois, ainda incorporado á pele. Nós sabemos muito sobre o inseto. A sua vida sexual já foi bem desconhecida, até que uma pesquisadora de Madagascar estava tão interessada no animal que o deixou viver no seu pé por aproximadamente 2 meses. As suas observações valeram a pena: foi descoberto que os parasitas provavelmente se reproduzem quando a fêmea já está dentro de seus hospedeiros.

SANGUE DE RATOS JOVENS REJUVENESCEM RATOS VELHOS

 

2Há muitas interpretações sobre os vampiros – alguns mais brilhantes que outros -, mas duas coisas são consistentes: eles sugam sangue e vivem para sempre. Porém, não precisa ser um vampiro para se manter jovem. Se você quiser isso, pode fazer uma coisa pior do que sugar o sangue de pessoas jovens. Cientistas interessados em envelhecimento juntaram dois ratos – um jovem, outro velho – e estudaram os efeitos. Uma vez que o seu sistema circulatório estava conectado ao jovem, o rato velho experimentou um rejuvenescimento nos músculos e no cérebro. Embora não seja tempo de começar a levar os seus filhos para fazer transfusão de sangue, os pesquisadores estão ansiosos para começar os testes em humanos.

IDENTIFICAR A PARTE DO CÉREBRO RESPONSÁVEL PELO MEDO

3O medo é uma emoção universal. Mas de onde ele vem? E o que é passível de ser verdadeiramente temido? Pesquisadores tentaram respondes à primeira pergunta em 2011, quando testaram um paciente humano, conhecido anonimamente como SM, que não experimentava a sensação de medo. Ela teve lesões em sua amídala. SM foi apresentada a cobras e aranhas, levada para uma casa “assombrada” e assistiu filmes de terror. Contudo, ela não demonstrou nenhuma sensação de medo. Então, inferiu-se de a amídala é a parte do cérebro responsável pelo medo.
Então, em 2013, alguns dos mesmos pesquisadores testaram SM novamente. Desta vez, ela inalou CO2, uma experiência que causa sensação de asfixia. SM não ficou calma. Ao invés disso, ela teve um ataque de pânico, assim como outros sujeitos do experimento, todos com a amídala danificada. As descobertas deixaram mais claro que a amídala não é a única parte do cérebro que processa o medo – e que ele é realmente uma emoção universal.

O EXPERIMENTO DE STANLEY MILGRAM

4Os testes de Stanley Milgram são uns dos mais conhecidos experimentos de psicologia – e por uma boa razão. Em 1961, em pleno julgamento de um dos criminosos nazistas mais conhecidos, Adolf Eichmann, Milgram propôs testar a nossa obediência frente a figuras de autoridade. Era simples: sujeitos eram instruídos a dar séries de choques elétricos em uma pessoa em outra sala (que não os receberiam, apenas atuariam como se estivessem). Eles começavam em 15 volts e terminavam em 450 volts. Embora os dois estivessem separados, o indivíduo poderia se comunicar com a pessoa que estava recebendo os choques e perceber as suas falsas reações, que incluíam gritos, queixas de problemas cardíacos e batidas na parede. Durante o experimento, os sujeitos não eram ameaçados nem eram impedidos de parar, eles simplesmente foram instruídos, no máximo quatro vezes, a manter-se dando choques. Os resultados foram chocantes: Milgram encontrou que um total de 65% das pessoas, mesmo com desconforto, administraram os choques – até os de 450 volts, que são fatais – como foi pedido.

AS AVES SE LEMBRAM DE VOCÊ, NÃO AS PERTURBE!

dfdsfsdfasdfMuito cuidado em como você trata as aves – elas se lembram! Pesquisadores em Seatle conduziram um interessante experimento em corvos. Eles vestiram uma máscara de homem das cavernas e uma máscara de Dick Cheney. A primeira máscara era usada para capturar corvos, enquanto a segunda era usada quando se estava agindo normalmente. A primeira, então, foi designada de “perigosa”, já a segunda foi denominada de “neutra”, a partir da reação das aves. Como se vê, os animais não se esquecem de uma face: mais de 2/3 dos pássaros testados, ao ver a máscara “perigosa”, repreenderam-na.

REANIMAÇÃO EM CORAÇÕES MORTOS

5Se você for esperto, provavelmente tem um plano para o apocalipse zumbi e já tem a sua equipe de sobrevivência já escolhida. É preciso pessoas que não morram facilmente, porém, a reanimação de mortos talvez não seja ficção científica completa. Pesquisadores na Califórnia foram capazes de transplantar corações “mortos” (sem batimentos) em babuínos jovens.

CONTEMPLEM O RATESTEIN!

rato-com-orelha-humanaEstá vendo esse rato orelhudo aí em cima? Criativamente apelidado de earmouse, ele é originalmente apresentado como a evidência de que a genética foi longe de mais. Na realidade, um nome melhor para ele poderia ser ratestein (ou frankrato), pois ele é produto de uma simples costura, não de engenharia genética. Os criadores do animal moldaram-no a partir de uma malha esterilizada e biodegradável na forma de uma orelha humana, aperfeiçoada com células de cartilagem bovina. Para crescer a orelha, eles precisaram de uma fonte de energia, de modo que todo o pelo do animal foi retirado, assim como o seu sistema imunológico. Uma vez crescida, os próprios vasos sanguíneos do rato se incorporaram à orelha.

E vocês, conhecem alguma experiência científica bizarra? Conta aí!

 

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. Os comentários são inteiramente de sua responsabilidade. Você será banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.