no

Música conquista o mundo dos eSports

Quem imagina os jogos, nunca pensa em uma diversão silenciosa, ou onde só há falas e barulhos de ação dos personagens. Desde os games mais clássicos, como o Super Mario, quanto os mais atuais, contam com uma trilha sonora única, e a música permeia até mesmo nos chamados campeonatos de eSports, dando ainda mais emoção para algo que já acelera o coração de torcedores e jogadores.

História do par

A sonoplastia nos videogames data da década de 1970 – e a música anda de mãos dadas com essa mídia desde então. O Pong, por exemplo, foi um dos primeiros games com som. Desenvolvido pela Atari em 1972, ele tinha como proposta ser um ping-pong virtual.

A Sony passou a caprichar nas músicas dos games que criou alguns anos depois, e um dos destaques foi o primeiro Gran Turismo, de 1997. Ele tinha vários artistas renomados na trilha sonora, como David Bowie, Placebo e Garbage – e o jogador podia escolher a faixa enquanto fazia corridas de carro.

Algum tempo depois, o GTA San Andreas permitiu que players ligassem em diferentes rádios enquanto dirigiam no jogo, tudo isso para imitar a realidade. Já o simulador de guitarras, Guitar Hero, conquistou o público amante do rock e da jogatina. Hoje, até mesmo os cassinos online presentes no cassinos.info usam a sonoplastia para simular os estabelecimentos de luxo e criar uma  imersão mais completa. Essas opções virtuais incluem as clássicas máquinas de caça-níqueis e jogos tradicionais, como o poker e blackjack, trazendo toda a atmosfera dos cassinos físicos em ambiente virtual.

eSports

            Um fenômeno relativamente novo que conecta ainda mais o mundo da música com os games são os eSports, ou esportes eletrônicos. Os eSports são torneios entre jogadores de games atuais, como o League of Legends, CS:GO, Dota 2, Free Fire, Fortnite, entre outros. Muitas das competições são gigantescas e têm até mesmo shows de abertura, com cantores internacionalmente conhecidos interpretando suas próprias músicas ou músicas criadas especialmente para o jogo em questão.       

            Aqui no Brasil, o primeiro torneio do tipo foi o Campeonato Brasileiro de League of Legends (CBLoL) de 2014. Essa primeira edição contou com uma apresentação ao vivo de canto lírico. Já em 2015, a desenvolvedora do game e organizadora da competição, Riot Games, convidou a banda Pentakill para tocar no Allianz Parque, em São Paulo.

Do rock para o trap

            O rock’n’roll sempre esteve atrelado aos jogos, seja dos mais antigos aos mais atuais. Porém, um ritmo que vem ganhando o interesse do público gamer nesta última década é o trap, subgênero do rap que combina elementos da música eletrônica com rimas agressivas e sintetizadores. Um exemplo de quando se viu o trap maior popularidade por aqui foi com a abertura do CBLoL 2018, quando Emicida cantou “É só um joguinho”.

            Já em 2019, Travis Scott recebeu 27 milhões de jogadores de Fortnite no show Astronomical, dentro do próprio game. Outro jogo de tiro bastante popular que recebeu grandes nomes da música no mesmo ano foi Free Fire. A desenvolvedora, Garena, conseguiu fazer a parceria entre MC Jottapê e Mano Brown rolar durante a Liga Brasileira de Free Fire.

            Mais recentemente, durante a final do Brasileirão de Rainbow Six Siege de 2020, Yung Buda e Rincon Sapiência se uniram para animar a torcida. “Na minha adolescência até a minha vida adulta sempre joguei FPS, tais como o Counter Strike. Tem até outros jogos que não estão no cenário competitivo, mas marcaram bastante a minha trajetória, The Duel, Eurogunz, Perfect World, Combat Arms, e agora eu tenho jogado League of Legends”, comentou Buda em entrevista à Betway. Ele ainda completou dizendo que “cresceu bastante também esse negócio de eSports, mas sempre foi uma coisa que eu gostei muito. Sempre tive muito contato, sempre tirei muita referência disso e foi uma parada natural”. Buda ainda afirmou que a estética dos games também lhe atrai.

O que você acha?

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Do Setembro Amarelo para nossa vida

a menina que matou os pais

A menina que matou os pais: 5 filmes de casos reais