no

A positividade tóxica está nos transformando em pessoas terríveis

Pode parecer contraditório, mas o excesso de otimismo pode fazer mal. Descubra o que é a positividade tóxica, e como ela está nos transformando em pessoas terríveis.

Ao contrário do que possa parecer, acreditar na positividade contínua e pensar que a felicidade é uma obrigação, começamos a nos esforçar para não sentir tristeza, medo e até mesmo raiva.

Sentimentos que apesar de desconfortáveis, têm funções essenciais à sobrevivência humana.

Este discurso que prega que precisamos ser otimistas a qualquer custo e em qualquer situação pode trazer graves consequências à saúde mental.

O escritor Mark Manson disse em seu livro “A arte sutil de ligar o foda-se” que qualquer tentativa de escapar do negativo- evitá-lo, sufocá-lo ou silenciá-lo- falha, e ele não poderia estar mais certo.

A positividade tóxica acontece quando negamos uma emoção considerada negativa.

Como consequência, ignorar os sentimentos faz com que fique cada vez mais difícil identifica-los.

Só que eles continuam lá e em algum momento explodem em forma de adoecimento psicológico.

Cuidado com a invalidação emocional

Invalidação emocional e positividade tóxica.
Representação de impotência e sobretudo sofrimento. Fonte: Unsplash

Sabe quando um amigo te conta um momento horrível que ele está passando e a gente responde com “Mas pelo menos…” ou “Pense pelo lado positivo…”. 

Com estes comentários, que na maioria das vezes é feito de maneira inocente, estamos invalidando o sentimento desta pessoa e fazendo com que ela pense que é errado se sentir mal, independente das circunstâncias que a deixaram assim.

E então o que pode acontecer? Isso mesmo, toda vez que virmos uma pontinha destes sentimentos “ruins” , vamos silenciar.

A não ser que você esteja em um retiro, sem redes sociais há pelo menos uns três anos, você provavelmente já ouviu algum discurso de meritocracia.

Aquele altar de “responsabilidade pessoal” que está sempre presente em cultos de aspirantes a empresários.

A felicidade como obrigação

Constantemente somos bombardeados com notícias felizes de pessoas que nos rodeiam através das redes sociais.

Mas o que ninguém conta, é que não dá pra ser feliz o tempo todo.

De acordo com um estudo feito em 2014 por pesquisadores da University College London, no Reino Unido, quanto menor a expectativa, maior a felicidade.

E isso não é apenas um meme, como foi compartilhado. É a verdade.

Enquanto cultivarmos o sentimento de obrigação, a felicidade vai ficar cada vez mais distante

A anatomia da positividade tóxica

Vivemos em uma cultura impregnada de positividade tóxica. Todo mundo precisa ter atitudes otimistas e socialmente aceitáveis ​​24 horas por dia, 7 dias por semana.

Tratamos as emoções negativas como contagiosas. Não deixamos ninguém expressar tristeza ou vulnerabilidade, porque temos medo de pegá-los.

Nós forçamos todos a encontrarem uma fresta de esperança. Esperamos que eles adicionem um final feliz a cada história, mesmo que tenham que mentir.

Se não puderem, nós os invalidamos. Nós ditamos como eles devem se sentir e como devem se expressar.

Você não tem permissão para alertar as pessoas sobre nada, apenas para lidar com os problemas depois que eles se tornaram impossíveis de ignorar.

Essa rotina de esforço constante e forçado é, na verdade, muito mais cansativa do que sentir as próprias emoções negativas que a gente tanto corre.

Depois de experimentar a invalidação, não é difícil detectar. Você conhece o sentimento.

Você vê os padrões, mesmo que nunca tenha considerado a palavra exata “invalidação” como uma tática. Aah, é sim .

Os abusadores contam com a invalidação para garantir que todos em suas vidas continuem tolerando suas besteiras.

Devemos comemorar por não possuir nada. Devíamos parar de entrar em pânico com as novas variantes de doenças mortais e apenas voltar ao trabalho.

Por analogia, funcionamos como uma panela de pressão. Guardamos tanta coisa, seguramos tanto a barra…

Mas uma hora a conta chega, e pode acontecer de evoluir para um quadro de doença mental.

Portanto, se segurarmos nossas emoções as consequências podem ser explosivas…

Veja como funciona a positividade tóxica

positividade tóxica
A tristeza, a raiva e o medo são exemplos de emoções ‘negativas”. Mas que são essenciais para o ser humano. Sinta! Fonte: Unsplash

Digamos que você expresse suas emoções para alguém que te magoou. Em um relacionamento saudável, o que acontece em seguida é: eles ouvem.

Eles reconhecem seus sentimentos. Claro, eles podem discordar. Eles podem se defender ou fornecer um contexto explicando o que fizeram e por quê. Eles podem até ficar chateados também.

Isso se chama ser humano. Mas a positividade tóxica faz algo diferente.

Através dela, a pessoa apenas responde. Diz que você está errado em se sentir como se sente. Ou como você deve se sentir.

A invalidação trivializa sua experiência ao compará-la com pessoas que “estão pior”. Às vezes, há um prefácio superficial que diz: “Primeiramente eu sei que você está com raiva, mas …”

E é nesse MAS que mora o verdadeiro problema.

O ponto de invalidação não é ter um diálogo ou fazer com que você veja as coisas da perspectiva deles. É para fazer você se sentir culpado e iniciar a conversa sobre seus erros.

É para te envergonhar e te calar.

A invalidação emocional elogia o sofrimento silencioso

Há outro ingrediente-chave da invalidação emocional que tenho visto constantemente: elogio ao sofrimento silencioso.

Em sua forma pura, as histórias sobre dificuldades, ou como superar a pobreza e a adversidade devem nos inspirar e motivar. Os abusadores navegarão em busca dos exemplos mais extremos de triunfo.

Entretanto, existe um propósito ainda pior, que é envergonhar qualquer um que ouse falar sobre a injustiça sistêmica.

Vão mostrar a você uma pessoa que corre uma maratona com uma perna só e perguntar: “Qual é sua desculpa?”, ou mostrar a você um orfanato e dizer: “Eles não reclamam”.

Esse tipo de invalidação acontece em grande escala na cultura mundial. É usado para justificar tudo, desde salários de fome até o evangelho da prosperidade.

O objetivo é apenas distrair e puxar o tapete psicológico de qualquer pessoa que tente falar sobre coisas como desigualdade.

Ao passo que as pessoas que não falam contra a injustiça ou a injustiça que estão enfrentando porque são cheias de coragem e resiliência.

A verdade é que muitas pessoas não falam contra a injustiça e os abusos porque estão constantemente com medo. Eles foram condicionados a aceitá-lo.

A qualquer momento que eles fazem falar, ninguém ouve. Eles sentem vergonha e constrangimento.

Isso não é inspiração, é simplesmente cruel.

Às vezes podemos pensar que as pessoas que conseguem “crescer na vida” com pouquíssimos recursos são uma inspiração.

Porém, muitas vezes esquecemos que o caminho que esta pessoa precisou seguir não precisava ser tão duro se as oportunidades fossem mais equalizadas.

O ser humano precisa de esperança para ter forças para seguir. Ainda mais no momento pandêmico que estamos vivendo.

Mas o caminho nunca é silenciar as emoções, mesmo que isso superficialmente pareça mais fácil.

Vamos tentar identificar melhor nossos sentimentos e não os silenciar. Precisamos entende-los, senti-los e seguir em frente? Sim!

Sem a pressão de ser feliz o tempo todo, e nunca mostrar fragilidade podemos abrir um leque de oportunidades de autoconhecimento e evolução.

O que você acha?

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading…

0

Personagens de desenho como humanos

Por que é importante preservar nossa cultura?